JACOB MELO RESPONDE

 

Marina – SP

- Já faz algum tempo que ouço falar de você, então comecei a acompanhar seus vídeos. Gostei. Me disseram que você é muito criterioso com o trabalho de magnetismo, e estudioso o que nutre em nós segurança, por você seguir Kardec.

Estou na Doutrina há 10 anos. Iniciei este ano o curso de passe espiritual; sempre o quis, embora me disseram que era só posicionar as mãos e fazer uma prece no tempo da reza de um Pai Nosso. Nunca aceitei, porque sempre achei que não era só. Fui a outra Casa e lá se aplica a técnica longitudinal, podendo ser: calmante, dispersante ou infusivo; até aí tudo bem. O que me chama atenção é que ao final da movimentação das mãos tem que fazer, apenas com a mão direita, um movimento de abrir e fechar as mãos. Questionei sobre essa necessidade e me disseram: tudo que abre fecha; mas abre o quê?

No seu livro Cure-se e Cure pelos Passes você diz que os centros de forças das crianças são menores que os adultos e que quando se trata de quebrantos deve-se usar sempre dispersivos, por que esses centros estão congestionados. Comentei sobre isso na aula e fui ironizada, me disseram que os centros de forças das crianças são iguais aos dos adultos e que era lamentável você dizer algo assim, para nos lembrarmos de que se tratava de um espirito adulto que estava encarnado. Pois bem; onde você buscou esses esclarecimentos sobre os centros de forças das crianças?

E por último tenho um filho de 16 anos que nasceu com hemiplegia congênita no lado direito, Isso afetou sua coordenação motora do lado direito. Ele preserva o cognitivo bom. Frequenta a Apae. Essa hemiplegia, segundo a neuro que o assistiu na ocasião, me disse se tratar de tentativa de aborto entre 3 a 5 mes de gestação pela mãe biológica. Ele tem traços de autismo; é muito irritado, apesar de que já melhorou bastante, mas ainda sofremos com esses momentos.

Quero ajudar meu filho e vi em um dos seus vídeos sobre o tratamento com um menino hiperativo, então pensei que talvez o magnetismo poderia ajudar meu filho, mas eu mesmo quero aplicar o magnetismo com sua orientação. Você acha prudente?

Resposta:

- Obrigado por me escrever e parabéns por se interessar em entender e em praticar o Magnetismo - essa alavanca poderosa que Deus nos concedeu para fazermos o que nos cabe nesta vida!

Há muitos desentendimentos em nosso meio e muitas tentativas de calar as verdades que Allan Kardec tão bem nos legou. As razões, afora a mesquinhez de alguns, eu não sei, mas nada disso nunca me fez parar, pois se existe deve existir razões e é buscando-as que eu me acho/encontro.

Sobre técnicas que algumas Casas aplicam – e que não teem base no próprio Magnetismo – não tenho como me posicionar nem dizer o que eles pretendem com seus movimentos. Sugiro que busques a Casa e te informes.

Quanto ao mais pensemos assim: remédios para crianças são em dosagens menores; comidas para criança são especiais e em dosagens menores; proteções físicas para crianças são diferentes das dos adultos; entretanto, todas elas são espíritos imortais, muitas já "muito velhinhas" na vida real. O que se deduz disso? Que há proporcionalidade, notadamente física, com idade, desenvolvimento e estatura/porte. Querer alguém desconhecer que os centros vitais delas são menores - e não iguais - que os dos adultos é querer menoscabar a Natureza e ainda por em risco as vidas dessas criaturinhas. E isso tanto é verdade que mesmo quem não estuda Magnetismo sugere que elas sejam atendidas por passes ou em cabines separadas ou em momentos anteriores aos adultos, e sempre em tempos menores. E isso se dá exatamente pelo mesmo motivo; seus campos vitais são mais sutis e menos amplos, pelo que podem se congestionar mais rápida e intensamente.

Sobre o atendimento ao teu filho sugiro que o atendas, inicialmente, como se fosse um caso de depressão (isso porque o centro esplênico provavelmente estará bastante desarmonizado). Veja a sequência em meu livro A Cura da depressão pelo Magnetismo. Depois que o pequeno estiver melhor te indicarei alguém que te dará orientações mais específicas sobre o caso.


 

Sueli

1- Recebemos uma paciente com cistos no seio e um deles é um tumor benigno, na aureola, que sangra ao apertar e não cicatriza o orifício. O tratamento mais indicado seria o rotatório? No livro diz que ele é indicado para inflamações.
Gostaria também de saber como adquirir os dvds do seminário de 2017 que você fez no LEAN.


Resposta:

- Olá, Sueli, Boa tarde!
Vamos ao que perguntas.
Nem sempre os problemas são resolvidos com uma única técnica. Quanto mais grave a situação, mas recursos magnéticos devemos buscar.
O caso que colocastes é um deles. É preciso não apenas tratar os cistos (estes podem sim receber imposições, rotatórios ou sopros quentes), mas também buscar sentir na paciente de onde pode estar sendo "disparado o gatilho" para tais incidências. Nisso o tato magnético é fundamental.
Na não cicatrização, certamente iremos encontrar alguma desarmonia na composição sanguínea; por isso mesmo é provável que haja necessidade de reforçar o enriquecimento de glóbulos vermelhos e bastonetes, o que se obtém quando se fortalece a medula do esterno e/ou da bacia. Este enriquecimento pede técnicas concentradoras, mas lembro que sempre é preciso intercalar concentrados com dispersivos.
Sobre o curso de 2017, este ainda não foi editado, portanto só temos disponível o de 2016. Caso tenhas interesse, por favor escreva para a Vida & Saber (vidaesaber@gmail.com) e eles te darão o retorno.
Um abraço e sucesso.


 

Uma amiga baiana:
O que fazer quando amigos e trabalhadores começam a desistir das atividades?

Resposta: Um dia um homem saiu para passear num bote. Estava sozinho. E assim pensava: que bom; ninguém para me perturbar, ninguém para eu dar satisfação nem ninguém para nada. Reclinou-se e adormeceu, ao balanço das ondas. Foi despertado pelas ondas revoltas. "Nossa! Estou perdido! Não sei onde estou nem posso contar com ninguém!".
E foi difícil retornar à terra firme.
Na nossa vida isso acontece com frequência. Tem momentos que precisamos ou queremos estar sós, mas que isso nunca seja de forma grave, pois os riscos envolvidos são grandes. E os que ficamos em terra firme precisamos saber orientar, sugerir, indicar ou, em último caso, esperar o regresso dos desesperados.
Deus confia em absolutamente todos nós; os que trabalhamos, os que descansamos e os que fugimos das tarefas; mas Sua Lei é de equilíbrio e harmonia, portanto todos seremos convidados ao regresso.
Sei o quanto é doloroso passar pelo que estás passando. Mas Jesus disse a palavra certa: No mundo passais por aflições, mas tende bom ânimo, pois Eu venci o Mundo! - E assim é; devemos manter o bom ânimo, sempre, pois nosso trabalho é maior, mais longo e mais compensador.

Lamento enormemente pelos afastamentos, especialmente de pessoas como aquele amigo médico, que podem ajudar tanto... Devemos orar por todos eles, para que pelo menos não se percam.
E que continuemos, pois se com muitos somos cadastrados como trabalhadores, como poucos devemos ter ainda mais disposição, energia e coragem.
Vamos firmes!
Deus te abençoe, minha amiga!


 

SUELY-USA

1- Gostaria de saber da necessidade do uso da maca no tratamento??  Se usando uma cadeira não é a mesma coisa????
R- Assim como a maca não é obrigatória, a cadeira também não o é. Todavia havemos de reconhecer que para tratamentos, mais demorados, portanto, a cadeira é menos confortável e, em alguns casos, dificulta. Imagine ter que trabalhar os pés de alguém? A maca é sempre mais fácil para aplicador e receptor do magnetismo.

2- Qual é a necessidade do médium de apoio, se podemos atender a todos os assistidos sem ter um apoio???
R- O exercício do Magnetismo não pede, necessariamente, um médium. O que convém, quando necessário, é ter um magnetizador no apoio, mas só no apoio e não trabalhando concomitantemente. Imagine se algo dá errado e há 1 ou mais a interferirem; de quem será a responsabilidade? - Aqui no LEAN – nossa Casa de atendimento em Parnamirim-RN, devido ao grande número de atendimentos, os magnetizadores trabalham sem apoiadores.

3- Precisamos estudar primeiro por um período longo antes de começar a trabalhar com o magnetismo ou podemos aprender as técnicas e começar a praticar aos poucos para podermos ter mais confiança e conhecimento do que estamos fazendo, já que trabalhamos como passista a bastante tempo?
R- Teoria e prática são indissociáveis. É perigoso começar sem estudo, tanto como estudar muito e não praticar. O ideal é o meio termo: estuda-se e pratica-se o que se estuda. E nunca se para nem de estudar nem de praticar.


 

PAULO-BA

Na apostila que estudamos diz, dos chakras de alta, média e baixa frequência, exatamente nisso que ficamos perdidos, o que seria e como funciona está frequência? Os de baixa são mais "fracos"? E porque existe essas frequências?
R - A frequência dos centros vitais é definida como sendo, em tese, a velocidade com que eles giram em tono de seu ponto central. Quanto mais alta a velocidade, mais sutil sua energética, bem como mais rarefeita sua captação; quanto mais lenta a velocidade, mais densa sua energética, tanto na captação como na emissão. Aplique-se E = mc2 (teoria de Albert Einstein) e teremos que uma "massa" produzida em zona de baixa frequência gerará energia de maior quantidade/peso do que em uma de alta.


 

Luciana – PE

Para você não existe o umbral?
R- A questão umbral me chocou muito no dia que um amigo, de Campinas, me perguntou: e aonde é que Allan Kardec e os Espíritos Superiores falaram sobre essa região, ainda que com outro nome?
Senti-me desconcertado, pois até então eu achava que eles haviam escrito, muito embora, antes disso ter ocorrido, eu já falava que não iria pro umbral, pois a referência me é repugnante, ameaçadora de destituir a sabedoria Divina, intragável mesmo. Lógico que depois que o amigo me alertou eu saí à busca na obra de Kardec, pois me sentia traído, já que desde criança havia aprendido que haveria um "substituto" pro inferno. Daí a me perguntar: e se não houver umbral, pra onde a gente vai? E essa pergunta se confundia com essa outra: e para onde vão os Espíritos Superiores? O que Eles fazem? Bom, depois de muitas reflexões resolvi entender o que seria erraticidade. Não é um local fixo; não é tão temporal ou espacial tal como estamos acostumados a entender. Mas desencarnados temos um corpo bem sutil, tanto que são poucos os que o vêem. Como é que esse corpo precisaria de algo denso para contê-lo no espaço?
A erraticidade está intrínseca ao Espírito e é nela que nos encontraremos. A lei de afinidade segue prevalecendo, o que nos proporcionará encontros e desencontros, mas não cidades putrefatas, locais dantescos, zonas sem que a bondade Divina tenha acesso...

Sigo acreditando que Deus é, de fato, a Inteligência Suprema – e umbral repugna isso.


 

Betina – DF

Atualmente trabalho em desobsessão e "cura". E estou precisando de referências a respeito do tipo de ondas (?) pelas quais os Espíritos se comunicam com os médiuns, devido a uma tola polêmica sobre desligar os celulares ou pô-los no módulo silencioso durante os trabalhos de cura/magnetismo e desobsessão.
Eu particularmente desligo. Mas, assim como o assunto "jejum de carnes", muitos o ignoram dizendo que o mais importante é o jejum de "pensamentos nocivos" e condições morais.
O Sr. Poderia nos ajudar com referências bibliográficas?
Resposta:
Infelizmente não tenho referências bibliográficas que possa te indicar para o caso referido. Entretanto podemos refletir.
Em todo e qualquer ambiente estamos totalmente envolvidos em ondas, de diversos tipos, padrões e frequências, e nem por isso os Espíritos se fazem mais ou menos presentes.
Do fato da interação entre a presença das ondas e a captação destas por aparelhos, não vejo nisso motivo para justificar uma interferência potencial.
Sei que se um aparelho de televisão ficar ligado durante uma reunião mediúnica, provavelmente ele atrapalhará, porque desviará a atenção dos participantes, muito mais do que pelo fato dela poder captar os sinais.
Por fim, a lógica diz que com o celular desligado não temos como ser "chamados" pelos encarnados e isso contribui para a entrega aos trabalhos de forma mais objetiva.
É o que posso dizer. Entretanto sugiro que sigas procurando melhores indicações e se as encontrares, por favor deixe-me saber.


 

Marcos – SP-SP
Gostaria de falar um pouco sobre a imposição de mãos no livro Caminho Verdade e Vida. Não digo limitar o passe a imposição (...), mas se a forma não é nada e o pensamento é tudo, concordarmos que se tiver que dispersar, mas por engano estou a concentrar, embora meu pensamento esteja em curar pergunto, o que vai prevalecer? Acredito que se estiver com meu pensamento comovido por tal criatura, querendo de fato curá-la, nesse caso não vai depender do que estou fazendo, mas sim pensando em produzir: minha Vontade.
Não quero banir; apenas questiono da mesma forma que existe pessoas que precisam de uma vela para ter Fé outras não, existem pessoas que se não estiverem com colares e adereços não vão receber nenhum espírito, pois precisam de determinada "motivação" para gerar a vontade de curar.
(...) Tenho verificado no livro do Barão de Du Potet, As 7 lições de Magnetismo, que ele afirma, à pag. 169, no último parágrafo: Pode-se, certamente, obter produção dos efeitos magnéticos seguindo um método muito mais simples do que o dele. Não há necessidade de tocar polegares, ou ter as pessoas contra os joelhos. Os passes feitos conforme Deleuze ensina não são rigorosamente necessários; pode-se fazer subindo ou descendo transversalmente, para obter o mesmo efeito.


Resposta- Inicio dizendo que a intenção pode (e deve) ser boa, mas em tudo o que há ações físicas (e o Magnetismo é uma delas) há necessariamente reações igualmente físicas, do contrário Deus teria estabelecido Leis não universais. Implica dizer que mesmo cheio de boas intenções, se eu fizer errado as consequências serão nefastas.
Entendo perfeitamente tua referência, mas não posso concordar com ela.
Veja: costumam citar o Espírito André Luiz, mas nem ele mesmo é considerado, pois em muitas oportunidades ele faz referências aos passes com movimentos. Só para não ir muito longe, veja em Conduta Espírita o seguinte:
Cap. 21, Perante a criança: "Furtar-se de incrementar o desenvolvimento de faculdades mediúnicas em crianças, nem lhes permitir a presença em atividades de assistência a desencarnados, ainda mesmo quando elas apresentem perturbações de origem mediúnica, circunstância esta em que devem receber auxílio através da oração e do passe magnético."
É óbvio que aí não se fala de movimentos ou técnicas. Mas veja isso:
Cap. 28, Perante o passe: "Quando oportuno, adicionar o sopro curativo aos serviços do passe magnético, bem como o uso da água fluidificada, do autopasse, ou da emissão de força socorrista, a distância, através da oração."
Creio que essas referências indicam necessidade de ações além da “vontade” ou como consequência desta. Mas ressalto que não me baseio em Espíritos simplesmente; busco os magnetizadores clássicos, o que está em TODA OBRA DE ALLAN KARDEC e na experiência pessoal.
Agora devo dizer ao amigo que fiz a leitura e a revisão de obras de Deleuze, Du Potet, do marquês de Puységur e, mais recentemente, concluí a revisão do livro A Arte de Curar, de Charles Lafontaine e posso garantir que todos eles relatam suas técnicas sim e nenhum disse que são dispensáveis. Sugiro que no lugar de você ficar apenas nas 7 lições do Barão, leia toda a renovação que ele fez nesse livro, transformando-o em 12 lições, publicado pela Vida e Saber (vidaesaber@gmail.com). De posse desse livro vá à parte da 8ª lição no item "Procedimentos magnéticos do Sr. Du Potet" e ali verás o que ele considera em termos de realizações práticas.
Embora tudo o que se apresente deva ser considerado, não vejo como se querer que tudo seja feito apenas pela mente. Sinto nisso algo que pode degradar o pouco que temos retomado em nome da Ciência que o mestre Kardec nos convidou a abraçar.

 



Marco – RJ
Tenho assistido seus vídeos, leio suas obras, mas até agora não encontrei algo relacionado ao que acontece comigo, por exemplo:
Ao passar minha mão esquerda sobre alguma parte de meu corpo, sinto que em algumas áreas há um calor, as vezes no esplênico, as vezes no abdômen, outras em algum ponto das pernas, e logo ter feito isso, passo sobre os mesmos pontos a minha mão direita e não observo este calor, retorno a mão esquerda e o fenômeno volta a se repetir.
Porque sinto o fenômeno com a mão esquerda e o mesmo não se dá com a mão direita?

Resposta - Marco, quando estudamos, em cursos, acerca do Magnetismo prático, isso que questionas fica logo evidente; todos nós temos características próprias, muitas dessas singulares e únicas ou pouco comuns. Mas o teu caso é relativamente comum. Dizemos que todos temos um polo mais prevalente do que outro e isso é o que deve estar acontecendo contigo. Nada de anormal, portanto.


Alan – Natal-RN
Uma paciente com Leucemia, a princípio do tipo Mieloide Crônica. Tecnicamente fiz um tato magnético e algumas imagens, embora vagas, surgiram em minha mente. Algo bem intuitivo. Visualizei nadis que ligavam o Esplênico e o Genésico ao fêmur, mais expressivamente no caso do Esplênico. Após dispersivos nas partes posterior e anterior da paciente (fluxo e refluxo), fiz imposições no Esplênico, seguidas de dispersivos transversais complexos vigorosos e com comandos mentais de direcionamento do fluido para o fêmur, ordenando-o a produzir células sanguíneas. Senti que o baço foi fortificado.


Resposta - O que tenho usado, com resultados muito positivos, é fazer concentrados ativantes em 3 pontos essenciais na medula óssea, especialmente localizados sobre o esterno e a bacia – nos dois lados superiores desta. No caso da leucemia mieloide crônica, se por um lado não oferece tantos riscos como a aguda, por outro é preciso que se apure o tato magnético para detectar a gênese da deformação de DNA das células produzidas entre as hemácias. Os concentrados, portanto, devem visar duas coisas: conter a expansão das células com o DNA descompensados e reforçar a produção de hemácias sadias. Isso, claro, sem perder de vista o equilíbrio dos leucócitos e das plaquetas.
Lembro que esses concentrados ativantes (por imposição, circular ou sopro quente) pedem dispersivos localizados intercalados com as concentrações.
O que tens feito no esplênico é de muito bom resultado também, mas só isso não é suficiente para a terapia, daí as recomendações acima.
A depender da gravidade do caso (especialmente quando se trata de leucemia aguda), pode-se chegar a mais de duas sessões por dia.
Com essa técnica, num caso de leucemia aguda, conseguimos reverter a produção de leucócitos (da taxa de mais de 110.000 para algo em torno de 6.000) e aumentamos a taxa de hemácias e plaquetas para níveis normais.



Sueli – RJ
Gostaria de tirar uma dúvida. Todas as vezes que entro em prece, me concentro (trabalho com desobsessão e estou estudando e trabalhando com magnetismo) começo a bocejar e lágrimas descem. Uma vez falaram que isso era falta de educação mediúnica. Constatei que para mim isso não tem nada a ver. Gostaria de saber por que isso ocorre. Dessa última vez estávamos fazendo mentalização e relaxamento e como sempre aconteceu o mesmo. Só que dessa vez eu sabia exatamente o momento em que os bocejos iriam parar. Posso ficar trancando a boca, mas o bocejo vem. Só não abro a boca, mas ela ocorre e as lágrimas descem de qualquer jeito. Quando termina parece que chorei. Me falaram que é doação de magnetismo. E isso mesmo? Se puder me orientar se devo deixar acontecer ou se isso não pode acontecer me explique ou me dê onde achar uma explicação. Obrigada pela sua atenção e paciência em responder.


Resposta - A questão que colocas pode atender a algumas situações.
Enumero as mais comuns.
1- Ambiência. Os ambientes onde há orações ou grandes concentrados fluídicos (energéticos) de boa qualidade exercem uma espécie de "necessidade de absorvê-los de forma mais direta", daí surgindo o abrir repetidamente da boca. E uma boca se abrindo de forma "forçada" assim interfere no sistema lacrimal, donde as lágrimas fisiologicamente explicadas.
2- Concentração. Quando oramos ou meditamos com mais acuidade ocorre fenômeno semelhante ao acima, com idênticas ou semelhantes reações.
3- Usinagem. Quem usina fluidos pelos centros vitais superiores (coronário, frontal e/ou laríngeo) pode sentir a interferência direta no sistema respiratório, fono e auditivo, produzindo as mesmas ocorrências.
Creio que estás num ou mais desses casos. Se for no terceiro o ideal é estudar o Magnetismo e aplicá-lo com sabedoria.



Alessandra – SP
Um colega de outro centro espírita de uma cidade próxima teve problemas com o tratamento magnético aplicado, pois a família do assistido moveu ação contra ele.
Após esse fato gostaríamos de saber se os tratamentos realizados por Jacob Melo e outros grupos têm alguma autorização e/ou termo de consentimento assinado pelo assistido?
Se já tiveram problemas com o judiciário: Algum processo? Acusação de curandeirismo, classificado como crime no Brasil?
Por favor, se houver alguém da área jurídica responsável, me informe o contato e telefone.


Resposta - Faz mais ou menos uma hora que cheguei vindo de um hospital onde fui atender ao chamado de um amigo que está na UTI com graves problemas renais e cardiológicos. Fui num horário fora do adotado para as visitas de familiares. Apresentei-me como "visita religiosa", que, na verdade, é o que me é permitido por Lei, pois sou Espírita e no Espiritismo existe a prática do Magnetismo, assim como aos padres é possibilitado ir dar hóstias e sacramentos, aos protestantes fazerem suas orações, e assim por diante.
O Espiritismo e o Magnetismo NÃO SÃO CURANDEIRISMO e quem estiver processando alguém que esteja agindo como espírita, para isso fazendo uso do Magnetismo, pode receber sim uma outra ação por INJÚRIA, DISCRIMINAÇÃO, dentre outras.
Em termos jurídicos (para simplificar) indico apenas um link (http://www.ambitojuridico.com.br/site/index.php?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=8929) e, na visão espírita, que leias meu livro Reavaliando Verdades Distorcidas (vidaesaber@gmail.com); muito embora ali não esteja tratando do assunto legal, esclarece pormenorizadamente o vínculo entre o Magnetismo e o Espiritismo.


Regina-SP: Aprendi que nascemos com uma quantidade X de fluido vital para nossa manutenção física e que esta não é reposta caso fazemos mau uso em nossa existência (vícios, bebidas, alimentação) e podemos desencarnar como suicidas. Qual o papel desse fluido então no passe magnético se ela é para minha manutenção enquanto encarnada?

R- Nem tudo o que nos ensinaram era bom ou correto.
Temos sim um tônus vital que nos mantêm vivos, mas que não vem em nós como se fosse uma caixa d'água em cima de nosso telhado. À medida que vivemos vamos absorvendo, consumindo, renovando e/ou destruindo cargas vitais; para isso, inclusive, existe o metabolismo orgânico, as demandas psíquicas e os estados de emancipação da alma. Existe também uma "programação" para nosso período encarnatório e esta não se traduz num reservatório de fluido ou campo vital, como comparei acima. Tal como o sangue se renova, quando doado, semelhante ocorrência se percebe na doação magnética, a qual, segundo afirmou Allan Kardec, uma noite de sono deve ser suficiente para reparar o gasto - e em cima disso já discorri em meus livros acerca da fadiga fluídica. Por outro lado, o dispêndio excessivo do fluido vital pode gerar enfermidades ou desorganizações graves, daí o cuidado com o seu uso/consumo/doação.


Regina-SP: Quanto aplicamos os dispersivos, com eles compactando o que havia sido doado, como inclusive você fala acerca de passes nos idosos, essa compactação se dá naturalmente ou tem interferência do plano espiritual? Como vou saber que aquele dispersivo que ora aplico é para compactar e não, por exemplo, apenas dispersar?

R- A compactação fluídica foi percebida depois de muitos passes aplicados em vários idosos. Como isso se dá eu não sei, mas sei que se fizermos grandes concentrados em idosos e depois aplicarmos muitos dispersivos, esses concentrados deixarão de ser congestivos e se tornarão como verdadeiros compactados, sem obstruírem os centros vitais; e se dissolverão à medida que o idoso daqueles fluidos necessitar. Por isso que, na falta de uma nomenclatura mais apropriada, usei para essa “descompactação fluídica” o termo ruminação fluídica, como a ensejar que esses compactados serão absorvidos lenta e progressivamente. Isso se faz muito útil quando precisamos fazer grandes doações em intervalos mais longos, pois se apenas concentramos, alguns pacientes ficarão congestionados, e isso é mal.


Lisando-PE: DÚVIDA 01:
No livro Manual do passista você diz que é sempre bom fazer passes gerais depois de passes localizados.  Gostaria de saber se ao fazer uma concentração sobre determinado centro de força (sempre intercalando com transversais cruzados ou simples), é necessário longitudinais gerais por todo o corpo?

Sendo mais específico, um exemplo: um paciente precisa de doação no gástrico; depois de fazer imposições (ou circulares, se o passista dominar essa técnica) intercaladas com dispersivos (transversais cruzados ou simples) é necessário fazer longitudinais por todo o corpo para ajudar na absorção e distribuição dessas energias doadas ou o fato de intercalarmos a concentração com dispersivos é suficiente para isso?

DÚVIDA 02
E se o paciente estiver precisando de concentração em dois ou mais centros de força; se concentra energia logo em todos esses centros e depois damos longitudinais gerais pelo corpo, ou concentramos em um centro e logo a seguir damos longitudinais gerais, para só depois disso ir ao próximo centro necessitado repetindo esse processo até o último centro necessitado de energia?

R- As questões colocadas são pertinentes.
Quando sugiro que após concentrados sejam feitos dispersivos gerais, buscando estabelecer uma harmonização, bem como uma espécie de "sincronização ou identidade" entre os centros vitais, busco que evitemos deixar nos pacientes sensações desagradáveis, daí tratar, em outros momentos, do que chamo de psi-sensibilidade.

Uma aplicação concentradora num centro vital, o qual esteja se relacionando a problemas orgânicos graves, sejam agudos ou crônicos, pedem alinhamento após sua manipulação, pois assim "forçamos" os demais centros a "identificarem" o novo status daquele foco. No caso de problemas crônicos fica ainda mais forte a necessidade de alinhamentos.

Bem se deduz, a partir daí, que haverá casos em que não será necessários fazer-se alinhamentos após se atue sobre cada um centro vital; o sentido de harmonização que se busca há de ser percebido e, naturalmente, indicar sua aplicabilidade a cada vez ou apenas numa vez, ao final. Em todo caso, sugere o bom senso que ao final de cada sessão magnética seja ela concluída com técnicas dispersivas gerais. Nos casos de depressão somos mais específicos ainda: que esses "alinhamentos" sejam feitos com passes perpendiculares.


Aparecido-MG: Tenho duas dúvidas:
Qual a melhor técnica de magnetização para se aplicar a um paciente com Alzheimer? Meu sogro tem 90 anos e sofre demais com esta doença, ele toma antidepressivos há uns 20 anos, mas não apresenta mais sintomas da depressão, fica muito agitado se não tomar os medicamentos.

Outra dúvida é: as vezes, não é sempre, quando me concentro para fazer um passe a distância, sinto uma sensação de frio na barriga, como se estivesse em uma montanha russa, isto por alguns segundos, depois passa, me imagino próximo da pessoa que vai receber os fluidos, faço a imposição de mãos e no final acontece novamente a sensação de frio na barriga. Isto é normal? Nesta modalidade de passe se faz necessário as mesmas técnicas de um passe presencial? Neste caso, a distância, os fluidos doados são espirituais, mistos ou humanos?

Resposta: O Alzheimer é uma patologia sem procedimento definitivo em Magnetismo. Experiências estão sendo feitas em vários locais, cada qual, praticamente, fazendo testes e anotando para que no mais próximo futuro examinemos quais os melhores caminhos que estão sendo traçados.

Uma enorme dificuldade, entretanto, já surgiu: não se trata de procedimento simples onde qualquer pessoa consiga segui-lo. Os procedimentos pedem um bom conhecimento de anatomia do cérebro e também um pouco de sua fisiologia para que os campos magnéticos sejam bem direcionados.

Por tudo isso, não temos anotado respostas mais objetivas para o assunto, apesar de que nos Encontros Mundiais de Magnetizadores Espíritas estamos em busca de melhores e mais seguros caminhos. No IX EMME, que ocorrerá em Natal, nos dias 22 a 24 de abril de 2016, é provável que alguém traga alguma referência sobre o assunto e aprofundemos os estudos, mas por enquanto não tenho como ser mais enfático nas sugestões sobre procedimentos.

Quanto a tua outra questão, as sensações que tens acusado (frio na barriga ou mesmo um certo percorrer nas costas) podem ser consideradas como naturais, típicas de início e fim de um tipo de usinagem. Os passes à distância, quando há perfeita sintonia entre magnetizador e magnetizado, na medida do possível pode ser executado mentalmente, agindo-se como se estivesse ali, de forma presencial. As energias aí veiculadas tanto podem ser só magnéticas (humanas) como mistas.


Osvaldo – SC: Quero lhe afirmar da satisfação de ter lido seu livro "A Cura da Depressão pelo Magnetismo".
Aplicamos na atividade do centro espírita o uso do passe dispersivo para casos de depressão, acompanhados da água fluidificada. Os resultados são aqueles que encontramos no seu livro.
Tivemos também a oportunidade instruir um passe dispersivo expedito a uma Mãe, moradora de cidade distante, que socorreu-se do centro espírita para submeter-se e ao filhinho de 3 anos de idade, ao atendimento fraterno e passe. O pequeno acorda de madrugada assustado e vem recolher-se incontinenti à cama dos pais buscando proteção.
Indicamos que, no retorno à sua cidade, a mãe praticasse 'abanar' com uma das mãos o filho à altura da cabeça e peito, demonstrando-lhe o modo de proceder.
Quinze dias após, ela veio ter mais uma vez ao centro espírita, quando lhes perguntamos sobre o filho e se tivera mantida a repetição de perturbações noturnas.
- sim, mas eu abanei ele, e a perturbação passou – foi sua resposta.
Trago-lhe este retorno de sucesso da aplicação do passe dispersivo, para lhe confirmar: o passe dispersivo é auxiliar nos tratamentos de depressão, e também nos atendimentos onde se verifique a necessidade de sustar a atividade mediúnica surgente ou eventual.
Exatamente no rumo de auxiliar médiuns em eventual emergência, também temos aplicado a fluidoterapia dos passes dispersivos, restando sucesso em toda situação incluída nesse gênero de necessidades. E verifica-se sempre que a imposição de mãos mostra-se conflituosa, quando não danosa, se interposta para aliviar médiuns dos excessos de fluidos.
Jacob, se possível gostaria de saber de sua parte, como vê os projetos de pesquisa espírita? A reunião de grande número de dados tabulados, a classificação desses dados em criterização de idade, gênero, queixa principal apresentada pelo paciente, sequenciamento de melhorias parece-lhe poderia contribuir para a progressividade do conhecimento das aplicações magnéticas?

Resposta: Fico muito feliz quando sei que alguém está extraindo proveitos do grande manancial que o Magnetismo nos oferece. E quando isso vem do Sul do país fica ainda mais forte essa alegria, pois aí costuma ser bastante reticente a essas indicações de Allan Kardec.

Ao longo do tempo, a aplicação dos dispersivos ficou muito restrita, por vários motivos, dentre os quais a equivocada frase "Jesus só fazia imposições". Depois se imaginou que o não movimento das mãos geraria paz e harmonia, o que contraria a própria Natureza. A imagem de que passes seja apenas doação de fluidos também contribuiu para o marasmo em que se demorou certas aplicações e até agravamentos de crises, pois se desconsiderou os casos (que são muitos) de pessoas/pacientes congestionados. Por fim - só para resumir -, quando o Espírito André Luiz falou de não se fazer movimentos exagerados deduziu-se que isso corresponderia apenas a 'não se fazer movimentos'. Mas tudo isso já vem se modificando e a melhor fluência da ação magnética vem-se fazendo mais eficiente. Quando, enfim, surgiu o estudo da terapia da depressão pela ótica do Magnetismo, aí então ficou tudo muito mais visível. E os excelentes resultados que vem sendo obtidos falam por si.

No caso que colocaste dos médiuns, não se trata de fluidos em derredor apenas, mas em campos energéticos densos que atraem e fortalecem a ligação magnética com possíveis obsessores.

Concluindo, pesquisas sérias e com dados bem tabulados é uma das grandes urgências que temos. Afinal, como se fazer ciência sem se utilizar de seus meios, de suas metodologias? Claro que se puderes contribuir tudo será muito bem vindo.


P- Jozélia:
Gostaria de saber: uma pessoa que fez tratamento de quimioterapia e radioterapia por quanto tempo essa pessoa pode retornar a aplicar passe?
E também quando toma medicação controlada por 5 anos consecutivo?
Quem toma medicação controlada pode ser doutrinador numa sala de desobssesão?


R-Tuas perguntas são bastante amplas, daí a dificuldade em responde-las. Tem pessoas que recebem doses muito elevadas e fortes de química e rádio, o que as debilitam sobremaneira por um bom tempo; outras recebem menores dosagens e reagem menos mal... Por isso é impossível generalizar na resposta. Precisaria de mais detalhes.
E quanto ao uso corrente de medicação também é preciso saber que medicação é essa, qual o estado (inclusive idade) da pessoa que faz uso e como está seu estado geral.
Por fim, o uso de medicamentos, em tese, não interfere tanto nas mediúnicas como no Magnetismo.


P- Alexsandro – RS
Estou começando a frequentar um Centro Espírita aqui da minha cidade e pretendo entrar para o grupo de estudos da doutrina de Kardec; seus vídeos foram de grande impulso para minha decisão de um dia poder fazer a caridade em forma de passes e curas. Gostaria de lhe perguntar se um passista ou magnetizador pode fazer a caridade fora da casa espírita?

R- Olá, Alexsandro.
Não há limites para a caridade além do bom senso e do bom coração.
Várias Casas querem nos impedir de sermos bons. Particularmente não entendo os motivos.
É certo que sair aplicando passes em qualquer lugar se incorre em riscos, todavia isso não deve nos abater quanto aos bons propósitos, pois muitas vezes essas proibições são despropositais. Jesus não ligou para elas e apenas se ateve à Lei Divina.


P- João – SP
Muitos de nós, não estou falando de você, usamos a codificação quando nos convém. Eu pessoalmente sinto mais a presença de entidade como preto-velho do que entidades outras (mais as de baixa vibração). Frequento, aparentemente por ser a única da cidade, uma casa kardecista/umbandista (nem sei se isso é possível). Eu sou de formação católica e só conhecia as obras de Kardec (não profundamente). Aqui na casa se fala de Kardec, se lê nas reuniões públicas o ESE, mas nos trabalhos de 6ª feira o líder espiritual é um indígena e com exceção de uma médium, todos trabalham com a umbanda. É confuso. Na umbanda não se tem muito o que ler. É muito misticismo e o único que parece tentar escrever algo sobre ela é Robson Pinheiro. Divaldo Pereira Franco já psicografou livros sobre o assunto pelo espírito Manoel Philomeno, mas tem um vídeo no youtube onde ele crítica o preto-velho dizendo que é um espírito que deve evoluir. Fico confuso. Aliás tem horas que o espiritismo dá um nó na cabeça da gente. Ora Kardec está ultrapassado, ora quem vem com novidades é tachado de novidadeiros, que querem conspurcar o espiritismo. É complicado. Abraços.


R- Por conta dessa confusão é que o ideal é ter uma base. No nosso caso, dos espíritas, a base se chama "Obra total de Allan Kardec", coisa que o "movimento" não faz. Daí tantas discrepâncias. Estamos cheios de “eu acho, penso e creio”, quando deveríamos buscar a segurança que está bem firmada na obra do mestre Kardec.
Não vale a pena discutir, pois se preto-velho não pode, como pode um branco sem educação ou os muitos representantes católicos que recheiam a obra de Kardec? Claro que a ética e a moral estão acima, assim como a inteligência, na melhor acepção da palavra.


Sônia, Brasília-DF

1) Qual é a diferença (se é que tem) entre PASSISTA E MAGNETIZADOR? Pois tem hora que o senhor fala como situações distintas, ora como se fossem a mesma coisa.
R- Passista é aquele que se propõe a dar passes. Parece óbvio e redundante, mas é isso mesmo. Costumo dizer que desconfigurar Kardec nos leva a essa cruzeta. Veja isso: se o passe não é o Magnetismo, então de onde ele veio? Segundo Kardec existem magnetizadores e magnetistas - e ele nunca usou a expressão passistas. Os magnetizadores são os que usam o magnetismo e seus fundamentos enquanto os magnetistas imitam os magnetizadores. Vejo a diferença que perguntas exatamente assim.


2) O senhor fala do passe como um tratamento magnético, conversando com o paciente (pessoa) antes e depois do tratamento. O que dizer então dos passes aplicados na cabine ao final das reuniões publicas, que não se sabe nada sobre a pessoas, então os passistas seguem só intuição? A falta de conhecimento sobre o paciente nesse caso pode atrapalhar ao invés de ajudar?

R- Na realidade falo um pouco diferente do que entendeste. Primeiro porque defendo que o primeiro passo para se fazer ciência espírita é buscar usar métodos científicos; dentre estes, o mais elementar é o que chamamos de feedback, ou seja, retorno de informações. Ocorre que o meio espírita não quer perguntar, saber, avaliar ou considerar o que seja que ocorre após os passes. Em nossa Casa, o Lar Espírita Alvorada Novas - LEAN, em Parnamirim, RN, temos uma grande equipe que realiza tratamentos magnéticos. Nesta temos avaliações através de entrevistas tanto junto ao paciente (assistido) como de próprio punho do magnetizador, que anota o que fez, de forma detalhada. Nos casos dos passes ditos comuns ou pós reuniões públicas, esses fazemos apenas amostragens. Por fim, como usamos o Magnetismo com base em Kardec, procuramos fazer com que nossos magnetizadores desenvolvam a dupla vista (tato magnético) a fim de saberem onde, como e o quê fazerem.


3) Todo magnetizador é um passista mas nem todo passista é magnetizador. Esta afirmação é correta? Então a questão é: todo passista deveria estudar magnetismo?

R- Correta sim e, por isso mesmo, todo passista deveria estudar, conhecer e procurar usar os benefícios que o Magnetismo e suas técnicas oferecem.


Cristina – SP-SP
Entendi do estudo em seus cursos e livros que o MAGNETIZADOR, principalmente ao tratar pessoas com depressão, perdem muitos fluidos, pelo que após o atendimento de três pacientes (conforme o caso), deve parar, procurar se reequilibrar energeticamente e, estando bem voltar para outros atendimentos.

Desde o início temos tido o cuidado de orientar para que estando impossibilitada de trabalhar, que o MAGNETIZADOR fique fora do trabalho, ou se a impossibilidade ocorrer durante a realização do mesmo, que seja honesto consigo e avise o ocorrido.

Penso e sempre deixei claro que para ajudar o próximo temos que estar bem, estar inteiros, pois caso contrário em pouco tempo não nos manteremos. É preciso cuidar da máquina para que ela possa realizar suas tarefas por mais tempo e com qualidade.

Ocorre que durante o 8º EMME - Encontro Mundial de Magnetizadores Espíritas, ocorrido em Goiânia-GO nos dias 14 a 16 de maio de 2015, alguém, que fez o curso contigo em janeiro, afirma que deixaste esclarecido e estabelecido que em um trabalho o MAGNETIZADOR só poderá dar no máximo três (03) passes. Que tanto isto é taxativo que no LEAN só são atendidas 80 (oitenta) pessoas em passe magnético, desde que haja número suficiente de MAGNETIZADORES para tanto, vez que não se pode atender mais que três.

Por favor me esclareça.

RESP: 
Vou resumir o que sempre digo:
1- Normalmente um passista que aplica TDM1 (1º nível do Tratamento da Depressão por Magnetismo) sente-se muito abatido após 5 desses seguidos (os quais demoram entre 15 e 30 minutos cada); então recomendo que após esse número a pessoa aplique passes para outra patologia, pois assim rapidamente se refará e voltará logo a estar apto a aplicar mais passes de TDM1.

2- O TDM1 não esgota nem estiola ninguém, ao contrário de passes aplicados em idosos muito carentes ou em portadores de cânceres em metástases, por exemplo. O TDM1 funciona como se o magnetizador fosse uma máquina de fazer diálise, ou seja: durante o processo ele recicla as energias estagnadas dos pacientes passando-as por seu próprio “metabolismo energético” e usinagem. Por isso que o refazimento é relativamente rápido.

3- Nos casos de TDM2 e 3 é que pode sim haver algum esgotamento e isso por conta de outras patologias e não pela depressão em si.

4- No LEAN (Lar Espírita Alvorada Nova – Parnamirim-RN), Casa que dirijo e onde aplico e pesquiso o Magnetismo, o total de passes aplicados excede a 120 semanais (num único dia) e nunca se deixa de atender a esses pacientes. Creio que alguém anda tirando conclusões equivocadas e colocando palavras em minha boca.

Em meus seminários sempre falo isso e nos seminários que aplico em Natal, que são mais extensos (sempre nos 2º, 3º e 4º finais de semana dos meses de janeiro), isso fica ainda mais claro. Portanto peço desculpas por esses assuntos serem trocados dessa maneira.
Se já vivemos relações difíceis com os que não gostam do Magnetismo, quando ouvem essas coisas devem ficar ainda mais ressabiados, pelo que nosso cuidado é sempre de bom tom.


Mena – SP
Perg:
Uma pessoa do grupo de magnetizadores com quem trabalho insiste em que reservemos um dia para tratamento dos magnetizadores. Isso existe? É lógico que ninguém tem uma saúde de ferro, mas não é demais?

Veja se estou certa: quando se tem uma disfunção, como pressão alta ou diabetes, onde medicação equilibra o sistema, aí não tem problema, certo? Mas uma pessoa que está com infecção na unha (purgando), com descalcificação de quadril: essa eu afasto... O que faço?

Resp:
Ah! Esses trabalhadores!!!

Conto uma historinha.

Um grande médico resolveu ajudar às pessoas carentes de uma comunidade numa periferia bem distante do centro. Não havia voluntários, mas ele encarou assim mesmo. Em pouco tempo surgiram várias pessoas se apresentando como voluntárias, mas só uma delas trabalhava como quem queria ajudar de verdade; os outros buscavam apenas "ajudar um amigo, um vizinho, um parente ou serem consultados com privilégios". E os atendimentos começaram a emperrar. Até o dia em que ele disse que não mais atenderia ninguém que não fosse, de fato, pessoa carente da comunidade. Como água fria na fervura, rapidamente de todos só restou um voluntário... O serviço, desde então, voltou a funcionar muito bem.

Tem gente que está mais preocupado em aproveitar o serviço do que em servir.
Não que trabalhadores espíritas não precisem, eventualmente, serem atendidos, mas criar um atendimento só para eles, ao meu ver, vai além dos propósitos.

Como já se disse: há doenças, doentes, como há aqueles que querem apenas os benefícios indiretos da enfermidade. Portanto selecione melhor e tenha uma melhor equipe; é assim que funciona.

Ajude a todos, mas não favoreça a acomodações, preguiças ou interesses que fujam do real objetivo.


MARIA RENATA- SP
Pergunta
Há tempos tenho tentado implantar as técnicas do magnetismo no Centro que frequento. Moro há 300 km de São Paulo, onde os espíritas acham que o passe é por conta dos Espíritos...

Pois bem; agora está se formando um grupo de terapeutas holísticos, cuja maioria é espirita, e me convidaram para dele participar. Dentre as terapias tem reiki e cromoterapia.
Estou seriamente tentada a participar, tendo em vista que com o magnetismo, na Casa Espírita, estaria sozinha em meu intento. Lá é um pouco misturado, ou melhor, bastante misturado, vez que são recebidas mensagens de índios, caboclos... Como no Centro estamos na mesmice, pelo menos esse pessoal tem "vontade" de ajudar, de curar... Fico pensando: se eu não for posso estar perdendo a oportunidade de ajudar. Por outro lado, não sei se esse seria o caminho.

R- Olá, Maria Renata,
Você falou sobre o CAEB - Através do Amor obter a Cura. Foi isso que me chamou à atenção no site que pediste que eu localizasse. Sendo assim, vou tomar esse slogan como ponto de referência.
Onde foi que ficou estabelecido que o amor pede regras, emite proibições ou se limita por decretos? O amor é o Poder Pleno com que Deus dotou suas criaturas e que deve potencialmente ser empregado em função e em favor de todos. Se quero amar e me proíbem, seguirei amando de qualquer jeito. Mas se me negam espaço, amarei no pleno espaço, aonde quer que me recebam ou me convidem a exercer esse amor que cura.
Quem teria poder para gerar leis nessa matéria seria Jesus; mas Ele disse: Ide e Curai; Amai-vos uns aos outros. - Quando o meio espírita diz que amemos, que nos amemos, que sigamos a Jesus e a Kardec, fácil se sentir traído, pois o que mais vemos é um procedimento e uma interferência para que sigamos em direção oposta a tudo isso; sem querer ser maldoso, mas no fundo sinto como se estivessem dizendo: sigam-me (os dirigentes) ou deixem-me.
Como diz um amigo que estuda aqui conosco: deixei o movimento espírita; agora sou espírita! Também sigo essa linha e, graças a isso, sinto-me mais e melhor espírita.
Por fim, se te apraz servir e se só tens como fazê-lo fora do "meio", ame, cure e siga o Bem. O resto um dia se ajustará.

Léo - SP
Como se comportar com pessoas com câncer? pergunto porque estudando chegamos às seguintes conclusões:
- A energia é muito concentrada na região. Estagnada.
- O paciente está em desequilíbrio emocional, pela doença.
Qual a sua experiência nisso? Pois pensamos que se dermos um passe dispersivo (tipo tdm1), depois uma energização nos chakras e região e depois um dispersivo calmante estaremos atendendo o paciente como um todo.

R:
Em termos energéticos, câncer é um foco que consome energias do/de um sistema, onde a simples dispersão não é suficiente para dissipar/dissolver o foco.
Cânceres são, via de regra, tratados por passes concentradores, intercalados com dispersivos localizados. A maioria é tratada por concentrados e dispersivos ativantes (perto), mas é sempre bom concentrar e dispersar também em pelo menos mais 2 pontos de altura (média e distante). Após cada grupo de 3 concentrados intercalados com dispersivos localizados, convém que se faça dispersivos totais.
O tempo médio de cada concentração deve variar entre 1,5 e 3 minutos, por 1,5 minuto de dispersão localizada; disso se deduz que um tratamento de câncer eficiente pede sessões de pelo menos 30 minutos cada.
Contudo, não tome isso como regra para todos os casos de câncer, pois há variações em enorme quantidade.

Fernando-SE
1 - Dupla Vista: relato minha experiência...
Ao entrar em sintonia com o paciente e sabendo de seus problemas orgânicos, em alguns casos diante de extrema compaixão, durante a magnetização, surge em minha mente o órgão afetado como que em 3 dimensões e, involuntariamente começo a manipulá-lo com minhas mãos em movimentos de manutenção deste órgão (fígado, rins, coração, cérebro, etc.). Algumas vezes parece que estou retirando algo denso, gelatinoso, uma matéria escura que expulso ao ar como se quisesse lançar ao longe para que desgrude de minhas mãos. Isto tudo na parte posterior do paciente a cerca de 40 à 50cm de distância. Primeira pergunta: este “fenômeno” posso entender como o de Dupla Vista? Segunda pergunta: é uma possível “faculdade” curadora pelo magnetismo?

R- Isto que se passa é sim uma das características da dupla vista. Essa faculdade é por demais abrangente e, por isso mesmo, costuma ser confundida com uma infinidade de coisas. O que se deve ter cuidado é que não se desvirtuem os métodos e usos, pois muitos gestos podem ser bem conduzidos, de forma a deles retirar algo que chegue a ser considerado como místico ou exótico demais.
O aprofundamento e o avanço da aplicabilidade disso tudo leva sim aos processos de cura.
Uma famosa médium norte-americana, Sra. Worral, costumava "retirar" fluidos "desarmônicos" e depois o paciente sentia-se muito melhor e, por vezes, totalmente curado, especialmente quando se tratava de tumores ou focos infecciosos/infeccionados.

2- Duplo Magnetismo:
Em nossa casa espírita atendemos um paciente por vez com dois magnetizadores. Um à frente e outro atrás do paciente, que se encontra sentado em uma cadeira. Eu sou o magnetizador que trabalha na parte posterior. Após breves minutos de reflexão e ao entrar em sintonia, mentalizo os principias centros de força pela parte posterior e aplico os dispersivos, concentrados, ativantes e calmantes conforme o tato magnético percebido. Logo após esse primeiro processo, acesso o umeral e executo ali a magnetização necessária conforme o tato magnético. Em sua palestra na CELG você divulgou novo centro de força de refluxo... surpreendente!!. Primeira dúvida: há problemas de se trabalhar com dois magnetizadores ao mesmo tempo e cada um conforme seu tato magnético? Ou seja, cada magnetizador pode trabalhar os centros de força de forma independente e ao mesmo tempo? Segunda pergunta: é cientificamente correto realizar o tato magnético e magnetizar todos os centros de força de fluxo e refluxo pela parte posterior do paciente? Terceira pergunta: o esplênico pela parte posterior, ele também é acessado ao lado esquerdo do paciente no mesmo ângulo próximo aos 45°? Digo isto porque no tato magnético, na maioria das vezes consigo perceber algo nesta região na parte posterior do corpo do paciente, e em menores vezes, esta mesma percepção ao lado direito.

R- Muito embora existam muitas Casas e até mesmo métodos que indicam a presença de duplas, ou de até mais magnetizadores atuando sobre uma mesma pessoa, particularmente não sou dos que recomendam essa prática. Existem várias implicações que desabonam a conduta. E quando o resultado final dá certo ou errado, até isso dificulta para se avaliar o que funcionou ou o que atrapalhou. Quando usamos 2 ou mais magnetizadores, os que estão "no apoio", se precisarem emitir fluidos o fazem direcionando-os ao magnetizador que estiver encarregado do tratamento naquele momento.
Magnetizar frente e verso só deve ser feito com a segurança mínima de que isso seja indicado. Infelizmente em magnetismo não contamos com muitas regras fixas, por isso mesmo podemos dizer que praticamente "cada caso é um caso".
O reverso do esplênico está no lado oposto, diametralmente, ou seja, também a aproximadamente 45º, só que abrindo para traz. Siga checando e perceberás, quando a ação necessária no esplênico pedir grande reforço sentirás que é no ponto que te indico que haverá melhor atração e absorção.

3- Usinagem do centro de força Frontal:
Em momentos de reflexão, oração ou qualquer tipo de concentração que faço, sinto o centro de força frontal muito ativado, com sensações de formigamento, pequenos choques, fricção, coceiras, pressão etc. Primeira pergunta: Isto é sinal de usinagem de fluídos? Segunda pergunta: Se assim o for, como posso potencializar esta exteriorização de forças? Terceira pergunta: Em quais tipos de benefício poderei direcionar esta energia aos irmãos em atendimento?

R- Isto é sinal de que o frontal está trabalhando; não dá para dizer que usinando ou exteriorizando para trabalhos de atendimento.
Para potencializar a exteriorização de qualquer fluido usinado devemos fazer uso regular, metódico, disciplinadamente e dentro de padrões que evitem o esgotamento da fonte.
Um bom magnetizador geralmente sabe para onde dirigir seus fluidos; e quando o fazemos de forma menos proveitosa ou equivocada, o acompanhamento/retorno feito com os dados do paciente costumam ser suficientes para nos indicar como melhor aproveitar todo o potencial que temos.


Ilma – BA
Já li em algum livro que num sanitário é um local onde existe muita energia negativa. Talvez eu não tenha interpretado corretamente, mas foi o que eu entendi.  Hoje sou aposentada, mas quando trabalhava e as vezes não estava bem ia até o sanitário e fazia minhas orações me saindo de lá muito bem.   Em determinado centro vejo a bandeja com os copinhos de água, numa distância mais ou menos de um metro e meio da porta do banheiro da casa. O que você me diz sobre isso?

R- Que um WC não é um ambiente de todo isento de bactérias, isso todo mundo sabe. Mas querer que seja local de energia negativa... sei não.
O pior ambiente negativo é a alma humana que pensa mau, pequeno e de forma pouco feliz; mas mesmo para estes devemos dirigir os melhores fluidos, inclusive em termos de água. Portanto...


Jaqueline – MG
Jacob, eu posso aplicar passes magnéticos no meu irmão e minha mãe, que estão necessitando muito, em minha casa? O meu irmão sofre de esquizofrenia e tenho notado que está ficando cada vez mais depressivo. Ele não tem ânimo de sair de casa para fazer um tratamento em outro lugar. Minha mãe, acredito, que sofra de congestão fluídica, sente dores por todo o corpo, mas não faz exercícios físicos para movimentar suas energias, já que é aposentada e fica muito na cama. Sofre muito com o problema do meu irmão, que a tem afetado muito.
Outra pergunta: como devo proceder com os passes para esse tipo de problema como do meu irmão? no caso da esquizofrenia?
Preciso que me ajude Jacob, pois na Casa espírita que frequento, eles não têm essa visão de passe de cura. Uma vez falei isso com o instrutor das aulas de passes e ele me disse que não existe passe de cura. Que passe é passe.
R- Todos podemos aplicar passes em nossos parentes ou em enfermos que não têm condições de irem aos Centros. Mas é preciso saber o que fazer. Para tanto não há como se suprimir estudos e experiência. Para este caso que relatas precisarás ler e conhecer pelo menos o Manual do Passista e A Cura da Depressão Pelo Magnetismo, ambos de minha autoria. Caso tenhas dificuldades de encontrá-los, escreva para vidaesaber@gmail.com e terás como adquiri-los.
Embora o livro da depressão não seja o mesmo caso da esquizofrenia, ainda é o melhor processo terapêutico que temos e, se aplicado correta e eficazmente, produz muito bons efeitos.


Dalva – BA
Sou espírita a mais de 20 anos, já trabalhei como doutrinadora em reuniões de desobsessão e atualmente trabalho na fluidoterapia, dou passe.
Quando iniciei na doutrina espírita, no Instituto kardcista da Bahia, em Salvador, o mentor da reunião me orientou a fazer um curso de passe e disse que eu era médium de cura. Desde então trabalho com passes.
Recentemente fui a um centro espírita bastante conceituado, com mais de 50 anos de existência, e após a entrevista fui encaminha para fazer um tratamento de desobsessão. No terceiro atendimento, o dirigente chamou um médium e mandou aplicar-me um passe, ao passar as mãos senti uma perda energética dos chacras Solar, Umbilical e Básico, mas foi tão forte que senti uma vertigem.
Quando terminou fiquei bastante confusa mentalmente e fui ao banheiro, quando saiu a urina, queimou minha uretra de uma forma que nunca senti antes, fui para casa e me senti muito mal, com enjoos, tonturas, fraqueza, vontade de deitar, irritada , sentindo  a região do baixo ventre mexida, incomodando muito.
Chegando em casa, a urina saiu do mesmo jeito, queimando. Fiz o evangelho, dei um alto passe e dormir. Acordei bem, mas com uma profunda sensação de desamparo, como fui sugada, vampirizada dentro de um centro espírita? 
Porque isso aconteceu? Não tive proteção? Foi o médium que me sugou ou foi um espirito? Porque os dirigentes(espirituais) da reunião permitiu?
Isso já havia acontecido antes, por três vezes que me lembro. Na casa de pessoas conhecidas, alguma amiga se aproximava de mim E eu senti essa vertigem, mas nunca de uma forma tão intensa. Não consigo nem ficar perto do tal médium e estou com medo de tomar passe. O problema está em mim? O que faço para me “proteger”?

R- Veja bem: não sei como fazes o passe, o tempo de duração, as técnicas, enfim... Não tenho como deduzir nada.
Sobre a Espiritualidade deixar que sejamos sugados ou qualquer coisa, aprendemos com Kardec que os envolvimentos espirituais acontecem de diversas formas e por diversos motivos. Na minha visão, não se trata deles deixarem ou não, mas de como nos conduzimos, inclusive tecnicamente.

Pode parecer grosseria de minha parte, mas para te protegeres, além das orações e boas mentalizações, precisas estudar mesmo o magnetismo; e depois de estudar tentar praticar com mais qualidade e eficiência.
E lembre-se de orar sempre e não apenas repetir orações.


ERIC – RECIFE-PE
Durante a aplicação dos passes dispersivos devemos fazer uma oração ou devemos nos concentrar em outra coisa? Caso a resposta seja a segunda opção, em que devemos nos concentrar?
Resposta: Você conhece a expressão "assoviar e chupar cana"?
Pois é mais ou menos assim: devemos estar em estado de oração e observando tudo o que é feito, além de focar naquilo que se está pretendendo fazer. No início pode ser complicado, mas com o tempo isso flui naturalmente.


João – RECIFE-PE
Estou fazendo algumas adaptações de horários aqui no Centro Espírita Emmanuel e, estou com dúvida sobre o horário da aplicação do passe.  Deve ser antes da palestra pública ou depois da palestra pública. Há algum estudo ou indicação em qual horário é mais eficiente, antes ou depois.
Resposta: A questão do horário do passe tem mais relação com os hábitos do que com o passe em si.
Na verdade, embora seja muito bom o "casamento" entre palestra pública e o passe, este não precisa necessariamente daquela para existir. Assim sugiro que sejam analisadas as conveniências e os objetivos para, a partir daí, tirar a melhor decisão.


FABIANA -
Observei que em algumas Casas Espíritas quando uma pessoa apresenta mediunidade ostensiva, principalmente os jovens, mesmo que não estando assustados com as ocorrências mediúnicas, mas simplesmente porque a mesma está eclodindo, encaminham para que estes recebam na cabine de passes a técnica da dispersão. Questionando sobre o método aplicado, ao invés do esclarecimento, me disseram que é porque se faz necessário "abrandar" a mediunidade porque essas pessoas ainda não sabem lidar com a mesma. Aliás, percebi que todos os casos de mediunidade, principalmente no seu início, são aconselhados os passes.

Pergunto se seria coerente essa prática, visto Kardec ter sido Magnetista e nem por isso encontrei referencias dele orientando o uso do magnetismo para bloquear ou abrandar mediunidade em eclosão.

RESPOSTA: Veja bem: Allan Kardec não comentou isso que perguntas exatamente por não ser assim que as coisas se dão.
O que ele sugere é que, em casos de subjugação, se use um bom magnetizador. Em outros momentos ele recomenda o estudo sério e aprofundado do magnetismo (trato do assunto em meu livro Reavaliando Verdades Distorcidas). Fato é que quando estudamos este descobrimos que os passes dispersivos (de preferências transversais) aplicados à altura do alto da coluna (centro umeral) diminuem a energética (campo) daquele centro vital, o qual usualmente entidades espirituais se utilizam/empregam para "acessar" os médiuns. Só que diminuir um campo para dificultar o acesso de um envolvimento é uma coisa; abrandar uma mediunidade em desabrochamento é completamente diferente.
Peço anotar que Allan Kardec sempre se disse magnetizador e não magnetista; em sua definição ele dizia que magnetista era quem imitava os movimentos dos magnetizadores.


João Batista – Itatiba-SP
1)      Entrando em relação fluídica (pgs. 89/90).

A Dúvida é em relação à distância. Alguns passistas acham que podem se aproximar do paciente, mantendo-se a distância normal para aplicar o passe, apenas elevando as mãos “a partir de uma distância aproximada de 1 (um) do centro vital escolhido. Nessas condições surgiram dúvidas na hipótese dos pacientes permanecerem em pé, como poderia o passista elevar ou distanciar as mãos (a partir de uma distância de um metro), principalmente quando quer atuar no centro coronário do paciente. Até mesmo algum passistas terão dificuldades quando os pacientes estão sentados, devido a sua altura corporal ou de ambos.

2) A outra hipótese é a seguinte: Mantendo uma distância aproximada de 1 (um) metro, não apenas com a posição das mãos, mas também corporal e daí vai se aproximando do paciente, simultaneamente corpo e mãos do passista, até a posição adequada de aproximação das mãos.

Gostaríamos que o senhor nos desse uma orientação para sanarmos essas dúvidas, lhe pedindo, desde já, as nossas desculpas pelas nossas dificuldades, destarte, a clareza pela qual os temas foram são tratados no valioso Livro.

Resp. A questão da altura das mãos do coronário pode ser resolvida de duas maneiras: uma seria se utilizando de um banquinho ou uma escadinha de enfermagem, o que possibilitaria o magnetizador alcançar a altura que desejasse. Mesmo que se queira fazer um longitudinal dos pés à cabeça, como essa técnica (longitudinal) nos possibilita (hipoteticamente) subdividir o corpo do paciente em duas ou mais partes, o magnetizador, em cima do banquinho, faria o fluxo até onde lhe fosse confortável e depois desceria e complementaria o percurso. Vale ressaltar que nesse caso -- e ainda usando das virtudes permitidas pelos longitudinais -- o magnetizador poderia fazer algumas levadas numa zona (a parte superior, por exemplo) e depois faria o mesmo, em igualdade de vezes e na mesma distância e velocidade, na(s) zona(s) restante. Ficaria tudo perfeito e sem qualquer perda energética.

A outra forma seria tentar o estabelecimento da relação a partir do centro frontal e não do coronário. Os efeitos serão praticamente os mesmos, embora sobre o coronário continue sendo o melhor. E quanto à realização do passe segue-se com a sugestão acima.


Barão Geraldo – Campinas-SP
1. Pode ser realizado o TDM em assistidos que estão sob tratamento espiritual (por exemplo: P2, CH, P3B)? Os tratamentos podem ser simultaneamente aplicados nos assistidos?
R- Peço desculpas por minha não familiaridade com as técnicas apresentadas (P2, CH, P3B...). Por não saber como se aplicam fico sem ter como me posicionar, mas uma coisa é certa: devem ser evitados todos os tipos de passes concentradores em portadores desses distúrbios, notadamente no nível TDM-1, pois a absorção de fluidos de forma concentrada só complica o quadro geral do paciente. Quando a terapia já se encontra nas fases seguintes (TDM-2 e 3) os concentrados podem ocorrer, ainda assim com o cuidado de intercalá-los com dispersivos.

2. O passista que também se encontra em tratamento espiritual pode dar passes magnéticos?
R- Um dos princípios básicos do Magnetismo é que o magnetizador esteja bem para poder transmitir o bem. Existem situações em que, embora haja perturbação espiritual, o Magnetizador está em plena condição de usinagem e exteriorização de bons fluidos; noutro casos ocorre literalmente o contrário. Portanto, cada caso é um caso e deve ser analisado com critério e bom senso. Na dúvida, o melhor é abster-se de dar passes até que esteja bem.

3. Os resultados do TDM aplicados a um assistido fumante são afetados negativamente? Caso afirmativo, quais as ações que devemos tomar para que o TDM seja mais efetivo?
R- Sendo o fumo danoso para o organismo em geral, só isso já basta para causar prejuízos, mas, apesar disso, as técnicas de TDM são muito eficientes. Convencer o fumante a largar o vício é uma tarefa que pode e deve ser desenvolvida paralelamente, porem evitando-se condenações, acusações ou mesmo dizendo que isso impede que o grande potencial de ajuda se estabeleça. Nada como bons argumentos para se contribuir na superação de vícios.

4. Quais os cuidados que um magnetizador, que trabalha com TDM, deve tomar quando atuar num trabalho espiritual aplicando um passe de Choque Anímico(CH)?
R- Novamente deixo claro não ter afinidade com a técnica referida, mas posso adiantar que um bom magnetizador, seja de que técnica ou "linha" se utilize, deve procurar manter-se no melhor equilíbrio físico e psíquico possível, sem abrir mão de sua vontade de ajudar, de sua preparação espiritual e do sentido de tudo observar para aproveitar o máximo do que vier a fazer em bem do próximo.

5. Qual a prática ou regra utilizada para que o passista seja substituído durante as fases do TDM?
R- O fundamental é que quem substitua alguém estabeleça uma boa relação magnética com o paciente. Como nos casos de depressão esse estabelecimento nem sempre pode ser feito da forma convencional, convém que o substituto inicie fazendo muitos dispersivos, em vários níveis de distância (ativantes até calmantes) e ao longo de todo o corpo do paciente. E mesmo que a técnica já tenha alcançado um ponto mais avançado pelo magnetizador anterior, o substituto deverá fazer muitos dispersivos no esplênico até retomar o ponto onde foi parado. Isso, contudo, não é uma regra absoluta e sim um modelo onde a prudência e o bom senso estão em vigor.

6. Uma pessoa que não está sendo medicada, ou não está sob tratamento médico, pode ser tratada pelo TDM? Essa pessoa hipotética, que está apresentando sinais de uma possível depressão pode iniciar o TDM por uma ação preventiva? Neste caso, esta pessoa precisa se submeter às 3 fases?
R- Tem muita gente em depressão que nunca tomou/ingeriu qualquer medicamento para tal. A depressão independe de muitas coisas, inclusive da falta de fé e do total desespero ou negação que vários acometidos acusam. E independente da gravidade, cronicidade e profundidade do mal, O MAIS CORRETO é começar sempre pelo TDM-1, mantendo-se aí até que o esplênico esteja funcionando plenamente. A ida aos níveis 2 e 3 são quase tão imperiosos quanto o início da terapia, por motivo de se querer prevenir recidivas ou mesmo descrenças posteriores, visto que o sistema pode estar funcionando apenas temporariamente (no TDM-1) e se não se estabilizar mais profundamente (que se obtém apenas nos 2 outros níveis do tratamento) poderá expor o paciente a riscos desnecessários. Muitas vezes os níveis 2 e 3 são muito preventivos (especialmente quando o tratamento é em fase inicial da enfermidade ou para resolver aspectos menos graves da depressão e correlatos), porem indispensáveis.


L.C. – Lisboa
1 . ''...Sendo esses fluidos o veículo do pensamento e podendo este modificar-lhes as propriedades, é evidente que eles devem achar-se impregnados das qualidades boas ou más dos pensamentos...''   Desta forma, podemos concluir que pessoas cujo espírito se encontra numa vibração inferior, vivendo comportamentos impróprios dum homem de bem e atitudes contrárias à Doutrina Espírita, transmitem através do passe, as influências desta sua conduta de vida?
Conheço pessoas que se conduzem por estes caminhos e são trabalhadores passistas. Será que no momento do passe, a orientação dos benfeitores prevalece e impede a transfusão de energias deletérias?


Resp -
Há uma reflexão que diz que um vaso contaminado não pode veicular/distribuir líquidos puros. Algo semelhante se dá com os magnetizadores, tanto que os melhores magnetizadores que a história tem oferecido como exemplo eram pessoas de comportamento ético e moral de elevada hierarquia, mesmo quando não vinculados a religiões ou credos.
O bom magnetizador deve se esforçar por estar sempre melhor. Contudo, as evidências também apresentam um contraste: existem magnetizadores que não são exemplos morais dos melhores, mas seus resultados são excelentes. O que se poderia pensar é: sendo como são alcançam o que alcançam, imagine o que conseguiriam se fossem bons?!

2. Não sinto benefícios evidentes com o passe que recebo no centro aqui em Lisboa.
Existem divergências que separam os trabalhadores em dois ''partidos'', o que me deixa confusa e perturbada. Não me sinto bem como no início. Comecei a ser olhada de modo diferente, por um dos grupos, desde que recebi o apoio duma trabalhadora, a pessoa que me deu conhecimento do Geeak de Coimbra. Tudo isto é contrário à Doutrina. Estou confusa.


Resp -
As brigas e intrigas internas que permeiam os movimentos religiosos sempre depõem negativamente contra a essência delas. No meio espírita infelizmente tem-se optado por "seguir correntes" no lugar de se seguir Jesus e Kardec. Infelizmente, o orgulho e a vaidade de muitos terminam por ofuscar o brilho da límpida Doutrina Espírita. O que fazer? Sermos melhores e fazermos a diferença para melhor, senão eles contaminarão absolutamente tudo.


RODOLFO – BRASÍLIA
1-
Quais livros o senhor me recomendaria ler, como uma forma inicial de aprendizagem da técnica magnética como um todo?


Resp -
Sobre livros para estudo, além dos que tenho escrito sugiro que conheças bem a obra de Kardec (incluindo a preciosa Revista Espírita) e dos magnetizadores clássicos. Atualmente já existem algumas publicadas que merecem ser lidas e estudadas. Posso indicar:
Barão du Potet - "Manual do Estudante Magnetizador" e o mais recentemente publicado "Tratado Completo de Magnetismo Animal em 12 Lições".
Deleuze - "Instruções Práticas Sobre o Magnetismo"
Hector Durville - "Teorias e Procedimentos do Magnetismo".
Todas essas obras podem ser adquiridas na Editora Vida & Saber (vidaesaber@gmail.com).

2- Minha mãe iniciou o tratamento magnético para a depressão no nosso grupo há 6 semanas, e nas primeiras 3 semanas ela apresentou sintomas de labilidade emocional muito intensos (choros compulsivos), com uma melhora visível após esse período. A que se atribuiria essa labilidade emocional inicial? - Eu poderia seguir a técnica do seu livro em casa, aplicando nela mais de um passe magnético semanal? Ou o melhor ambiente seria em um centro espírita?


Resp -
Sobre o caso de sua mãe, apenas posso oferecer hipótese: provavelmente, como efeitos das técnicas TDM1, os "filtros" vitais voltando a funcionar (centro esplênico) as emoções desaguam e assim virem a gerar esse choro. A hipótese é viável ante o fato da melhora dela após 3 semanas. – Quanto à conveniência da aplicação dos passes em casa, como já tens experiência poderás sim aplicar passes diários nela, mas mantenha um bom padrão e em cada sessão faça o tempo conveniente para o atendimento, pois 5 sessões de 5 minutos cada não é o mesmo que uma de 25 minutos, ok?

3- Existe algum problema em realizar sessões mediúnicas (desobsessão) no mesmo dia do atendimento magnético aos depressivos, na nossa casa espírita?


Resp- Quanto à questão da desobsessão e do magnetismo no mesmo dia depende muito da disponibilidade e do potencial dos trabalhadores, pois se trata de duas atividades exaustivas de fluidos podendo, por isso mesmo, produzir perdas energéticas com consequências indesejáveis. Estejam atentos para a possibilidade de fadiga fluídica.

4- Por fim estamos com dificuldades no grupo de evoluir para o TDM 2 (ainda estamos estudando a prática em conjunto). Pode haver algum prejuízo para os pacientes em permanecerem em um tempo prolongado no TDM 1?


Resp-
Prejuízos no sentido de agravamento do mal é pouco provável que ocorra. Mas devemos considerar que o TDM2 facilitará a melhoria geral. Sugiro que tentem aplicar o TDM 2 e vejam os resultados e, paralelamente, vão estudando e avaliando.


LC – Portugal
Se eu vivo numa vibração inferior, alimentando comportamentos impróprios, gero à minha volta uma atmosfera caraterizada por influências da mesma faixa vibratória. Ao fazer o passe magnético, não transmito apenas os fluidos universais e dos bons espíritos, mas também aqueles que me influenciam como pessoa. Aquilo que faz parte de mim, do meu pensamento, da minha conduta, da minha atitude perante a vida é transportado no meu ADN, a quem recebe o passe através de mim. Estou correta?

Depois, diga-me onde é que Kardec fala sobre a influência do nosso percurso de vida na transmissão dos bons ou maus fluidos? Li, mas não consigo localizar em que livro.


R- O que concluíste acerca de transferências pelo magnetismo é verdadeiro; transmitimos emoções assim como a animalidade vital que possuímos, daí o cuidado que devemos ter com nossa posição mental e fisiológica. Quanto melhor estivermos, melhor doaremos.

A citação de Kardec que buscas deve ser esta, que está no livro A Gênese:

CAPÍTULO XIV - Qualidades dos fluidos

16. - Tem conseqüências de importância capital e direta para os encarnados a ação dos Espíritos sobre os fluidos espirituais. Sendo esses fluidos o veículo do pensamento e podendo este modificar-lhes as propriedades, é evidente que eles devem achar-se impregnados das qualidades boas ou más dos pensamentos que os fazem vibrar, modificando-se pela pureza ou impureza dos sentimentos. Os maus pensamentos corrompem os fluidos espirituais, como os miasmas deletérios corrompem o ar respirável. Os fluidos que envolvem os Espíritos maus, ou que estes projetam são, portanto, viciados, ao passo que os que recebem a influência dos bons Espíritos são tão puros quanto o comporta o grau da perfeição moral destes.

17. - Fora impossível fazer-se uma enumeração ou classificação dos bons e dos maus fluidos, ou especificar-lhes as respectivas qualidades, por ser tão grande quanto a dos pensamentos a diversidade deles. Os fluidos não possuem qualidades sui generis, mas as que adquirem no meio onde se elaboram; modificam-se pelos eflúvios desse meio, como o ar pelas exalações, a água pelos sais das camadas que atravessa. Conforme as circunstâncias, suas qualidades são, como as da água e do ar, temporárias ou permanentes, o que os torna muito especialmente apropriados à produção de tais ou tais efeitos...


Telma – MG
À noite passada, ao deitar-me senti uma criança do meu lado; olhei e em minha tela mental eu a vi; logo pensei: meu Deus vai acontecer outra vez! E fui tentando segurar meu espírito; pensei que conseguiria resistir, mas não consegui e foi uma confusão geral com desencarnados e alguns encarnados. Vi-me em outro lugar que não era meu quarto; não estava dormindo nem sei te descrever... Com muito esforço, orando o Pai Nosso e chamando por Jesus dizendo que Ele era mais forte, consegui voltar ao meu quarto, quanto então dormi tranquila. Vendo-me em meu quarto me senti segura. Amigo querido me explique o que significa isso.


R- O que se passa contigo é o que vulgarmente se chama de desdobramento, mas corretamente chamado de Sonambulismo, por Allan Kardec. Não tema, mas previna-se fazendo boas leituras e preces antes de dormir; converse com seu Anjo Protetor e peça-lhe apoio e segurança. Rogue para seres bem acompanhada durante o sono e que possas ser útil ou aprender coisas boas durante a emancipação da alma.


Madalena – Espanha
Qual a diferença entre a água magnetizada e a água fluidificada Creio que são um pouco semelhantes, não? Pois creio que é com a participação dos Amigos Espirituais e também dos encarnados, certo? Também sei que tem a água imantada.

Sei que somos todos energia, animais, e as coisas materiais também, e principalmente aquelas que nós usamos com mais frequência...


R- Água magnetizada é o que temos de real; é o que sempre houve. Água fluidificada foi uma "invenção" dos que sempre quiseram afastar o Magnetismo do Espiritismo. Allan Kardec NUNCA falou em água fluidificada; ao contrário disso, sempre falou em água magnetizada.

O uso da expressão “água fluidificada” foi tão mais difundida do que a magnetizada que hoje ela prevalece, mas seu uso não é correto ou não seria o mais apropriado.

A água tanto pode ser magnetizada diretamente como à distância.
Há ainda a magnetização feita pelos Espíritos, mas, de certa forma, sempre precisará de recursos materiais, senão ficaria difícil a estabilização desses sutis elementos na densidade da matéria.

Água imantada é outra coisa: trata-se de uma água que recebe a ação direta de imãs, portanto precisa ser feita diretamente, sem ter, em princípio, como fazê-lo à distância.


Luiggi - BA
Tenho lido '' Manual do Estudante Magnetizador'', e me deparei com algumas dúvidas.
Quais lugares deveríamos usar para fazer experimentos magnéticos?
... No livro ''O PASSE'' vimos que o lugar ideal é a Casa Espírita...
... Uma pessoa, que ainda alimenta maus sentimentos sobre a minha pessoa, tem um parente doente que posso ajudar, mas nem ela nem ninguém me chamou para ir ao hospital. Posso ir assim mesmo?

R- É claro que é possível se aplicar magnetismo em qualquer lugar; isso, entretanto, não quer dizer que tal comportamento deva ser regra geral. Assim como qualquer "profissional" precisa de "seu lugar" para melhor exercer suas funções, o mesmo não seria diferente na prática do Magnetismo. Sendo esta uma ciência que nos ensina a proceder tecnicamente, falando tecnicamente podemos dizer que ficamos dispensados de comportamentos ditos religiosos; só que os grandes magnetizadores de todos os tempos e lugares sempre tiveram atitudes de elevada postura e compostura e isso se obtem com relativa facilidade com o emprego da oração. Daí, por que não fazê-la sempre?!
Se um grupo não me aceita nem eu o aceito parece estar claro que devemos avaliar o melhor e fazer o que se deve; mas quando o excesso de orgulho ou vaidade é nosso condutor, certamente isso irá comprometer nosso posicionamento, inclusive de usinagem.
O paciente que pede nossa ajuda se predispõe positivamente a recebe-la, o que ajuda na terapia em si; aquele que não a quer obstacula, por vezes seriamente; para uma boa solução, mais uma vez o bom senso deve gerar a decisão melhor a ser tomada.

 



MARIA - Japão
Desculpe se lhe parecerem demais básicas, mas parece que me acostumei vendo-o nos vídeos e criei coragem para escrever.
Tomemos a Terra como exemplo do que quero entender: na sua formação, os fluidos eram neutros e à medida em que foi sendo povoada, sua "atmosfera fluídica" passou a ser aquela dos seres que a habitam, imperfeitos que são. À medida que a renovação desses seres se dê, vai-se também "depurando tal atmosfera"? Tenho tendência a crer que sim. Estaria correto?
Se acontecesse de o planeta sofrer uma catástrofe de proporções totais, fatais a todos os seres vivos, o que aconteceria com esses fluidos? Se o fluido vital retorna à massa de onde o tomamos quando nascemos, a tal "atmosfera", impregnada, também aconteceria algo do gênero? De que forma ela se depuraria? E, em não se depurando, permaneceria no espaço?

Resposta: A questão que colocas não tem nada de simples nem "básica demais". Teu raciocínio está muito bem dirigido e leva qualquer pessoa a refletir com melhores critérios sobre o que pensas. Nem sei se saberei dizer algo, mas tentarei.
Vejamos assim: O raciocínio genérico é de que tudo vem da fonte geradora; isto nos leva a pensar como colocastes. De onde viria a Terra? Por raciocínio dedutivo, ela veio de uma fonte tão boa que propiciou o surgimento da Vida como a temos. Mas se pensarmos apenas nos fluidos momentâneos peculiares à fase caótica iremos chegar a conclusões menos felizes. E se a Terra explodir, sumir do mapa, para onde irão os fluidos daí? Os próprios Espíritos responderam a Kardec que irão formar novos mundos - o que significaria o retornar à origem, ou seja, a formação intrínseca de si mesmos. (Gênese, Cap. 9, item 15. «Os mundos se esgotam pelo envelhecimento e tendem a dissolver-se para servir de elementos de formação a outros universos. Restituem pouco a pouco ao fluido cósmico universal do espaço o que dele tiraram para formar-se.)
Em O Livro dos Espíritos temos que, questão 739: Têm os flagelos destruidores utilidade, do ponto de vista físico, não obstante os males que ocasionam? E a resposta dada foi: “Têm. Muitas vezes mudam as condições de uma região. Mas, o bem que deles resulta só as gerações vindouras o experimentam.”
Aí vemos que a dissipação da matéria, seja do globo ou mesmo de uma parte pequena deste, sempre produzirá novos campos, embora nem sempre os primeiros sintam ou aproveitem as benesses maiores.
De outra forma, o meio espírita se vê assolado por teorias que classifico de mal colocadas ou, algumas, apocalípticas, num posicionamento no mínimo esquisito. Ora, se a Terra sempre sofreu cataclismos e tragédias, por que seria que só as de agora seriam "sinal dos tempos"? Depois, será que Deus precisaria mesmo disso para fazer progredir a humanidade ou, como bem sacastes, Ele promoverá a ascensão de forma gradual, tal como vemos aqui: Gênese, Cap. 18, item 27 – A geração Nova - A Terra, no dizer dos Espíritos, não terá de transformar-se por meio de um cataclismo que aniquile de súbito uma geração. A atual desaparecerá gradualmente e a nova lhe sucederá do mesmo modo, sem que haja mudança alguma na ordem natural das coisas. (Por favor, leia o texto inteiro em A Gênese, ok?)



Rogério – Rio
Recebemos um senhor de uns 40 anos que sofre de crises epiléticas, ele está desempregado, dorme muito mal, sem apetite. O que vocë recomenda? Apliquei dispersivos e magnetizamos a água.

RESPOSTA: A técnica que sempre forneceu o melhor resultado em pessoas epilépticas foi a PERPENDICULAR (mãos passando pela frente e por trás, simultaneamente, mas lembrando que deve envolver também o coronário e o esplênico, tá?).
Muitas vezes isso é bem marcante e eficiente, mas como nem toda enfermidade tem o mesmo princípio, tem pacientes mais resistentes, porem terminam melhorando. A água deve receber magnetização objetiva para o paciente.


ANA PAULA – Portugal
Descobri há pouco tempo que bastava um toque das minhas mãos para que algo acontecesse. Sentia imenso calor nas mãos e vibrações onde tocava. Sigo sempre a minha intuição como se estivesse alguém ao meu lado para me orientar. Costumo usar este dom apenas a nível familiar.
Gostaria de saber se basta seguir a minha intuição e aquilo que sinto ou usar as técnicas de que falou.

RESPOSTA: Nem sempre a intuição, apenas ela, é suficiente para adquirirmos a segurança devida. Funciona mais ou menos assim: enquanto não temos ciência os Amigos Espirituais nos ajudam até nos primeiros passos, mas quando temos condições de caminhar “sozinhos” eles passam a esperar nossa decisão. Assim, acho que o mais conveniente é estudares para seres mais e “melhor usada" por eles.


Alexandre
Uma dúvida me surgiu após a leitura da 9ª edição de seu livro Manual do Passista - Curando pelo Amor e pelo Magnetismo: os centro vitais têm relação intima com certos órgãos, por exemplo, o esplênico refere-se ao baço, mas também exerce influência sobre as funções biliares, renais e de excreção; sendo assim, se um paciente com problemas de cálculo biliar procura um passe magnético, devo concentrar a aplicação no centro Esplênico ou mais diretamente na região da Vesícula Biliar?


Resp - Os tratamentos magnéticos tanto podem ser efetuados sobre centros vitais como sobre órgãos, assim como simultaneamente. Tudo depende do magnetizador, sua habilidade ou como lhe é mais seguro na condução do passe.
No caso que te referes, se for atuar apenas em centros vitais, o ideal será sim o esplênico, mas é bom considerar a relativa influência, ainda que não direta, do gástrico sobre as funções hepática e biliares.


Omar - SP
Participei do último seminário que você dirigiu aqui em nossa cidade, sobre Magnetismo.
Trabalho com um grupo de passista em uma casa espírita prestando um trabalho assistencial de atendimento através do passe em pessoas que não podem ir até o Centro, as quais atendemos em seus lares e, as vezes, em hospitais.
Temos um caso extremo de atendimento em nosso grupo relacionado com paralisia cerebral e alguns comentam que em pessoas com este tipo de enfermidade e outros tipos relacionados com a região cerebral, não se deve aplicar passes diretamente com a imposição das mãos por sobre a cabeça, o que faria com que esta pessoa ao invés de receber alguma melhora, não se sinta bem ou fique agitada.

RESP: Não existe qualquer obstáculo que impeça a atuação na cabeça de um paciente, salvo se o magnetizador não souber o que faz ou se for fazer excessivos concentrados sem as intercalações dos dispersivos – existe ainda a possibilidade de pacientes extremamente sensíveis naquela região, pelo que todo cuidado é requerido. E se o magnetizador tiver muita experiência, poderá e até deverá acessar os "campos e locais" mais diretamente afetados. Esta, inclusive, é uma das grandes vantagens do magnetismo; tirar-se isso dele equivalerá a se reduzir bastante seu alcance.



Omar - SP
Gostaria que nos indicasse obras literárias que pudessem tratar este e outros assuntos de forma direta, principalmente com o intuito de objetivar e melhorar nosso atendimento aos assistidos e melhorar também nosso conhecimento sobre o assunto.

RESP: Quanto a literatura, não existe nada específico como pedes/procuras, mas para o entendimento do Magnetismo, além das obras de Allan Kardec (incluindo a Revista Espírita) e das minhas, no Brasil ainda tens o Magnetismo Espiritual, de Michaelus, publicado pela FEB, o Manual do Estudante Magnetizador, do Barão Du Potet, o Instruções Práticas sobre o Magnetismo, de Deleuze, e o Teorias e procedimentos do Magnetismo, de Hector Durville. (todos esses livros, menos o de Michaelus, você adquirir diretamente na vidaesaber@gmail.com). Afora isso, pesquise em meu site: www.jacobmelo.com.



Edna – Noruega
1- Onde tenho trabalhado com passes algumas pessoas me sugam muito e me deixam desgastadas de forma muito pesada. Será que é porque são carentes e tem mediunidade?

R- O fato de alguém ser sugador, carente ou médium ostensivo NÃO PODE SER TOMADO COMO CAUSA de nossa exaustão. Essas pessoas podem até exercer forte componente que nos fragilize, mas se sofremos esse tipo de perdas é porque estamos nos descuidando de algum procedimento. Veja se: a) não estás dispersando pouco ou concentrando muito sem intercalar dispersivos; b) se não estás absorvendo demais os campos psíquicos e emocionais das pessoas e, depois, não fazes como se auto dispersar, seja por respiração diafragmática ou por intervalar melhor entre um e outro passe; e c) tens permitido que refluxos do paciente se demorem e se fixem em seus campos, a começar pelas mãos e braços -- o que indicaria a necessidade de mais dispersivos, com mais vigor. Por fim, cuide também da alimentação, da respiração, do descanso e do sono.

2- Depois desses passes que aplico fico tão descompensada que à noite tenho verdadeiros pesadelos...

R- Se não temos como evitar sonhos devemos nos educar para dormirmos mais tranquilos, evitando agitações pre-sono. Evitemos certos alimentos (mais excitantes ou de mais difícil digestão) e maiores quantidades, bebidas com excesso de excitantes, filmes, livros ou conversas que mexem com o emocional de forma negativa e a ausência do convite bem dirigido ao anjo da guarda para que ele, de fato, nos acompanhe.

3- Umas pessoas me procuram dizendo que querem saber o que e como ando fazendo, mas para mim fica claro que elas querem me desviar a atenção e não buscam o que dizem...

R- Jesus já nos disse: melhor fazer um cego que quer ver ver do que tentar com 10 que não querem ver. Tens muito a quem ajudar, daí não ser produtivo gastar demasiada energia com quem não tem interesse.

4- Não tenho conseguido ajudar muito nas pessoas com depressão; que devo fazer?

R- Para lidar com depressão e depressivos tens tudo em meu livro A Cura da Depressão Pelo Magnetismo. Podes seguir aquela trilha e tudo dará certo.

5- E tem dias que sinto precisar de um passe..

R- Se precisas de passe procure recebê-lo, de preferência de quem sabe o que fazer e como te ajudar.


Rafael – SP
1. Por mais que eu queira me fazer entender junto aos demais trabalhadores da Casa onde frequento, sinto que é difícil aceitarem certas coisas que o magnetismo ensina...

R- Encontras e encontrarás sempre barreiras, perseguições, injúrias e outras coisas, pois os acomodados nos querem igualmente acomodados. Não é bom para alguém “antigo” achar-se "o tal" e vir "um jovem" com ideias e "revoluções" para "ensinar" o "que já se sabe". Esse discurso muito demorará para desaparecer da face da Terra e do nosso meio, apesar de ser improdutivo, pequeno e infeliz. Portanto siga firme na busca dos bons ideais, pois a água fura o cimento por ser perseverante e não por ser mole.

2. Em dia de Reunião de Cura, ou sempre que aplico um passe, tenho suado muito, chego a pingar depois de certo tempo; a camisa fica molhada, tive que arrumar uma toalhinha. Acho desagradável. Isso passa com o tempo, Jacob?

R- Normalmente, com a prática continuada tende a passar. Este sinal (sudorese), em muitos casos, é apenas uma das formas da usinagem fluídica se pronunciar, mas, de certa forma, se transformará em outras maneiras menos desagradáveis. Eu mesmo fui assim quando, ainda bastante jovem, aplicava magnetismo.

3.Por ficar sobrecarregado na Casa, me encontro numa fadiga fluídica. A única coisa que continua boa é o meu humor, pois estou num ponto de esgotamento total. Sem forças. E passando pela situação vejo que essa fadiga anda de mãos dadas com a depressão. Procurei Centros Espíritas para me tratar, pois sei que em minha Casa ninguém dispõe desse conhecimento ainda. Tomei alguns passes lá e em outras Casas; sinto um alívio bom, mas o problema volta, pois sei que eles não agiram no foco do problema. Sinto que meu gástrico e esplênico estão descompensados. O que faço? Pensei em tomar soro na veia. O passe espiritual tem tanta força quanto o magnético? e Nesse caso? Passada essa fadiga serei um magnetizador como antes ou ficarei com fluidos comprometido?

R- O meu livro A Cura da Depressão Pelo Magnetismo ensina como magnetizadores deverão agir em quem tem depressão e, no final do livro, tem sugestões para quem queira/possa se auto-ajudar. – Sobre outro ponto que colocas, esse mal não se cura com soro ou “simpatias”. Por fim, quando passar a depressão ou a fadiga fluídica é claro que poderás sim ser um bom magnetizador.

4. Vejo por aí muita informação errada sobre os chakras, por essa razão vivemos um impasse dentro da Casa Espírita. Temos trabalhadores envolvidos com o reiki e não aceitam, por exemplo, a localização do esplênico. Num caso em que o paciente esteja com congestionamento de energia, seria melhor que essa problemática fosse trabalhada por um magnetizador ou passista espiritual ou um reikiano também poderia intervir? Sabemos que eles são apenas canais, mas logo penso, a energia mesmo espiritual que eles utilizam não poderia agravar o caso, ou ela por si só já dispersaria a congestão fluídica do paciente?

R- Que me desculpem os que pensam o contrário, mas o Magnetismo Prático não apenas é o ideal como é o melhor medicamento para a fadiga. Meus livros sobre magnetismo tratam do assunto. Por isso mesmo, creio que o magnetismo prático seja muito melhor e mais eficiente nesses casos.

5.Sempre que aplico passes tenho um extrema vontade de curar o paciente; eu equilibro minha mente, me sintonizo e faço as técnicas magnéticas. Um antigo magnetizador me disse que além disso é necessário visualizar as energias saindo das suas mãos, caso contrário perde muita energia. Eu nunca foquei muito nesse ponto, o que eu visualizo sãos os órgãos, chakras, o organismo no geral, mas não necessariamente as energias. Isso procede? E pode estar atrapalhando o processo?

R- Não procede. Foque na vontade, no que queres e vais fazer e, como diz a canção de Roberto Carlos, "pense só no bem, que um dia a felicidade um dia vem", ou seja: a vontade e a atenção juntas, fortalecida pela confiança e pela fé de quem procede são alavancas por demais poderosas. Por isso, a partir daí tudo virá melhor produzido.

6. Como disse quero começar um trabalho de magnetizadores, formar, ensinar e tudo mais. Quais os primeiros passos a tomar para identificar pessoas que tenham a predisposição a serem magnetizadores? Médiuns psicofônicos, de efeitos físicos, etc.? Na Casa tem o passe misto, incorporam médicos, liberam um pouco e os espíritos a outra metade... O mais correto é dizer que existem médiuns espirituais que não liberam fluidos, ou que liberam poucos... E magnetizadores alguns com mais potencialidade que outros, certo? Dividindo em grupos os tipos de passes e os pacientes pode haver uma organização e um tratamento melhor?

R- Um curso bem feito é INDISPENSÁVEL. O curso que realizei este ano aqui no LEAN em breve estará disponibilizado em DVDs. Acompanhe meu site (www.jacobmelo.com) e saberás quando estará a venda. A fusão de mediunidade com o Magnetismo, nos moldes como ocorre hoje no Brasil, não tem sido proveitosa, pois os médiuns (espíritos?) terminam querendo dizer tudo e a busca pelo saber magnético fica imediata e longamente arquivado. Contudo, não posso opinar sobre a Casa de que falas, por não conhecer seu procedimento.

7. Dependendo da doença ou da situação, o passe magnético pode ser mais eficaz que o espiritual por conter fluidos vitais?
R- Pode sim.


Eduardo – SC
Pergunta: Apliquei um passe em um paciente que trabalha na área de saúde pública, ele sentia bastante peso nos ombros e um pouco de dor, relatou que as pessoas vem conversar com ele na maioria das vezes bastante abatidas, e falam sobre a doença que elas tem, como começou, a quanto tempo tem, enfim geralmente com muita tristeza.  E ele ao fim do dia se sente esgotado, após essa breve conversa apliquei o passe, fiz somente dispersivos longitudinais e transversais nos três níveis e também fiz alinhamentos, isso numa quarta-feira à noite do mês de novembro de 2013. -  Na outra semana ele veio a casa novamente e disse que na quinta-feira teve náuseas e vomitou uma gosma branca. Depois passou quase três meses sem sentir dores, ontem conversando um pouco mais com ele descobri que ele tem um problema grave na cervical, que segundo um médico especialista é caso para cirurgia mas, corre o risco de ficar paraplégico, então ele optou por aprender a conviver com a dor, a segunda opção do especialista, detalhe ele descobriu que tem essa doença em 2008 e desde então tomava medicamentos para amenizar a dor. Após eu ter feito o passe disse que ficou durante três meses sem tomar os medicamentos.

Ontem comecei a fazer concentrados e dispersivos nessa área pois voltaram as dores, vamos ver como ele vai reagir. Pergunto, algum paciente já relatou ter acontecido algo parecido no dia posterior ao passe como aconteceu com ele?

R- O primeiro caso narrado não é de todo incomum, embora não seja de alta frequência. As pessoas que "absorvem e acumulam" fluidos como ele parece fazer, costumam perder energias, principalmente por falta de "respiradouros", já que estes estão congestionados. O perigo é quando isso se somatiza, mas não parece ter sido o caso. A gosma, nalguns casos que pude observar, tem relação com dois pontos comuns: 1- a forma do organismo reagir a algo que está em processo de adensamento - no caso, os fluidos "estacionados".

2- isso quase sempre está muito agregado à usina excretora (no caso, o gástrico), todavia refletindo em diversos órgãos. Por exemplo: quando não se vomita costuma-se observar as fezes com mucos.

Pergunta: Sobre outro assunto, ontem apliquei um passe em um paciente que sente dor no ombro direito, e hoje durante o dia também senti dor no mesmo ombro, porém não no mesmo local, agora à noite não sinto, é normal isso acontecer? ou eu estou fazendo algo errado.

R- O segundo caso costuma significar que as dispersões não foram tão eficientes quanto deveria. Eu tentaria fazer melhor intercalação entre concentrados e dispersivos, sem perder de vistas quanto às dispersões localizadas (para o caso de uma mão impor num ponto e a outra "arrastar" por dispersivos).


Manoel – PE
No caso do alinhamento; quando mais rápido passarmos a mão sobre os chacras será melhor?

O que diferencia o passe dispersivo longitudinal do alinhamento será a forma mais rápida? é isso?

R- Alinhamento é uma expressão que significa "deixar os centros vitais em harmonia uns com os outros" e o passe dispersivo longitudinal é uma técnica que visa operar/trabalhar todos os centros ou os centros de uma determinada região; portanto são coisas distintas.
Mas se usa, com muita frequência (a rigor, na maioria das vezes) os dispersivos longitudinais para se deixar em "alinhamento" ou em "harmonia ou harmonização" todos os (principais) centros vitais, daí se fazer a associação de uma coisa com a outra.

Quanto à velocidade dos movimentos dos longitudinais, nem sempre é preciso que haja movimentação muito rápida e nem significa que quanto mais veloz maior o efeito de harmonização. Há casos, inclusive, em que se precisa primeiro fazer-se longitudinais lentos (ativantes) e só depois seguirem-se os rápidos (dispersivos).


Silas – MG
Pergunta:
Gostaria de saber de você se tem algumas técnicas a serem usadas assim como no tratamento a pessoas com depressão. A minha equipe está quase toda formada para darmos início ao trabalho com pessoas depressivas e estamos muito confiantes neste trabalho. Quero te agradecer pelos seus estudos referente a todos os tipos de passes, pois iremos estudá-lo cada vez mais e mais.

R- As terapias que resolvem problemáticas cancerígenas geralmente envolvem/pedem grandes concentrados. A prudência, entretanto, recomenda que sejam intercalados, por várias vezes, os dispersivos, a fim de serem evitados os refluxos aos "terminais" do magnetizador e auxiliar na penetração dos fluidos depositados.

Mentalmente o magnetizador pode pensar em "encapsular" o câncer ou em "implodi-lo".
Como concentrador pode-se usar os circulares ou o sopro quente.

Tudo isso sem deixar de lado a água magnetizada.

Cada sessão deve durar um mínimo de 15 minutos, acrescida de mais uns 5 de magnetização da água, que deve ser ingerida pelo menos 5 vezes ao dia, especialmente ao despertar e antes de dormir.


Cátia
Ouço falar de usinagem de energia do genésico e gástrico. Não imagino como se faz isso.  Quando vibro trabalho emanando energia do frontal e cardíaco; é assim que sinto. Como se saísse de mim luz amarela ou azul em forma de espiral envolvendo o ambiente ou a pessoa a qual direciono. Nunca trabalhei o de onde vem, pois para meu entendimento eu captava a energia pelo coronário e um amor muito grande de mim se apodera, sinto então fluir de mim esse amor, essa luz e a divido com os próximos. É tão bom, que sempre lágrimas escorrem dos meus olhos, tamanha é a emoção...

Essa palavra "usinagem" me soa estranho e para mim é nova...  É diferente.  Não sei se acerto fazer.  Você pode me explicar?  Estarei fazendo errado?  Não consigo imaginar eu mesma fabricando energia.  E tenho real medo de fazer errado e em vez de ajudar atrapalhar a quem direciono.

R- A usinagem é o nome que se dá ao funcionamento de um centro vital no momento em que ele exterioriza suas energias ou fluidos.

Nem sempre temos o domínio de qual centro (usina) está sob maior produção, assim como cada criatura tem seu centro vital mais prevalente nesse quesito. Provavelmente você o tem em centros classificados de superiores (por estarem na parte de cima).

Se não é de grande importância identificar qual esteja em maior efeito no momento de uma prática magnética qualquer, seja ela intencional ou involuntária, não significa dizer que não devamos estar atentos a isso, pois um magnetizador mais experiente sabe que quando tal ou qual centro vital usina mais, menos ou potencialmente mais forte, ele pode concluir sobre o tipo de "energia" que está sendo empregada e até que ponto a carência do paciente é mais ou menos intensa, nesse ou naquele setor levando-o a cuidados mais apropriados.

Outro ponto é que nem todos magnetizadores conseguem fazer usinagens em mais de um centro vital assim como também não conseguem variar suas origens e seus alcances. O exercício é sempre conveniente, mas não deve ser o foco principal.

Por fim, o meio espírita foi agraciado com uma frase (Os Espíritos fazem tudo) que tem dificultado enormemente o desenvolvimento proposto pelo Espírito Guia do senhor Allak Kardec, quando em O Evangelho Segundo o Espiritismo afirmou, ao final da mensagem "A fé humana e a Divina", em seu capítulo 19: 

O Magnetismo é uma das maiores provas do poder da fé posta em ação. É pela fé que ele cura e produz esses fenômenos singulares, qualificados outrora de milagres.

Repito: a fé é humana e divina. Se todos os encarnados se achassem bem persuadidos da força que em si trazem, e se quisessem pôr a vontade a serviço dessa força, seriam capazes de realizar o a que, até hoje, eles chamaram prodígios e que, no entanto, não passa de um desenvolvimento das faculdades humanas. Um Espírito Protetor. (Paris, l863.). Ou seja: a Codificação Espírita pede que desenvolvamos nossos potenciais e você, como milhares de espíritas, se questionam se podem ou não usinar (produzir) fluidos de si mesmos! O que seríamos se todos os seres humanos tivessem esse mesmo tipo de autoquestionamentos a nos limitar as ações? Ninguém seria coisa nenhuma, pois não existiria a fé em si mesmo. Ao contrário, quando acreditamos em nossos potenciais e buscamos desenvolvê-los, aí sim podemos ser e fazer praticamente tudo, inclusive curar.


 

PARA VER MAIS PERGUNTAS A JACOB MELO - CLIQUE AQUI